Confissão #27

Entre os pessoas, meu preferido é o Caeiro. E é dele o poema-oráculo que abri hoje de manhã:
Todos os dias agora acordo com alegria e pena.
Antigamente acordava sem sensação nenhuma; acordava.
Tenho alegria e pena porque perco o que sonho
E posso estar na realidade onde está o que sonho.
Não sei o que hei de fazer das minhas sensações.
Não sei o que hei de ser comigo sozinho.
Quero que ela me diga qualquer cousa para eu acordar de novo.


Ilustração: Alberto Caeiro, pormenor do mural de Almada Negreiros na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1958).

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home